Empresa gaúcha que atua no setor de luto pediu para aderir ao Novo Mercado

Companhia obteve receita líquida de R$ 83,8 milhões no ano passado

O Grupo Cortel solicitou à B3 adesão ao Novo Mercado, segmento especial de negociação de valores mobiliários da bolsa de valores que estabelece regras diferenciadas de governança corporativa e de divulgação de informações ao mercado mais rigorosas do que aquelas estabelecidas na lei das sociedades por ações, condicionada à realização da oferta.

A empresa gaúcha tem ampla atuação na cadeia de atendimento do setor de luto e é conhecida por suas marcas de empreendimentos locais, que incluem o Ser Previdente Planos de Assistência Funeral, a Previr, empresa de serviços funerários, e o Cremapet, braço atuante na cremação de animais de estimação. O Grupo Cortel atua no Rio Grande do Sul, em São Paulo, no Rio de Janeiro e no Amazonas.

“Atualmente, a companhia consegue, por meio de um portfólio amplo, diversificado e complementar de produtos, atender uma grande variedade de necessidades de seus clientes. Com 10 cemitérios, localizados próximos a centros urbanos desenvolvidos do Brasil, a Companhia possui serviços e produtos que abrangem diversas categorias, desde opções mais básicas que buscam atender as classes sociais menos favorecidas, até os produtos premium, que possuem como público-alvo as classes mais elevadas”, revela o prospect da companhia (leia aqui o documento completo).

“Enquanto os recursos líquidos decorrentes da oferta primária não forem efetivamente utilizados, no curso regular dos negócios da companhia, eles poderão ser investidos em aplicações financeiras que a companhia acredita estar dentro de sua política de investimento, visando à preservação do seu capital e investimentos com perfil de alta liquidez, tais como títulos de dívida pública e aplicações financeiras de renda fixa contratados ou emitidos por instituições financeiras de primeira linha”, revela o documento.

No exercício de 2019, o Grupo Cortel obteve receita líquida de R$ 83,8 milhões. O lucro líquido foi de R$ 14,3 milhões. No período de nove meses findo em 30 de setembro, a companhia gerou receita operacional líquida de R$ 75,9 milhões e lucro líquido de R$ 21,5 milhões (veja os principais números na tabela a seguir).