Mercado aquecido e recentes aquisições da companhia contribuíram para resultados recordes

O impacto positivo da retomada econômica em diferentes geografias e o câmbio favorável para as exportações também contribuíram para o desempenho positivo no início do ano

O primeiro trimestre de 2021 resultou em números históricos para as Empresas Randon, que registraram receita líquida consolidada de R$ 1,9 bilhão. O desempenho positivo, com crescimento de 64% em relação ao primeiro trimestre de 2020, foi impulsionado pela demanda aquecida de setores ligados ao agronegócio e a venda de bens de consumo. Além disso, o câmbio favorável e as aquisições de novas empresas contribuíram para o melhor trimestre dos 72 anos da companhia.

Em linha com esse avanço, a empresa apresentou aumento de 5,2 pontos percentuais na margem bruta consolidada, atingindo 26,8% no primeiro trimestre de 2021. Já o EBITDA consolidado foi de R$ 349 milhões, aumento de 226,5% no comparativo com o primeiro trimestre de 2020, e margem Ebitda de 18,3%, acréscimo de 9 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano anterior (veja os principais indicadores ao final desta reportagem).

“O desempenho satisfatório que a companhia vem apresentando nos últimos meses também está conectado ao constante investimento em inovação e novas tecnologias, o que contribui diretamente para a melhoria de eficiência e de produtividade. Isso também foi percebido neste primeiro trimestre de 2021, período em que consolidamos movimentos importantes feitos pela empresa, incluindo resultados do nosso processo de transformação cultural e digital”, destaca Daniel Randon, CEO das Empresas Randon.

Para a companhia, o primeiro trimestre foi mais um período de crescimento de mercado, impulsionado por segmentos que seguem em recuperação e em expansão. É o caso da produção de caminhões, que apresentou aumento de 34% na comparação com o primeiro trimestre de 2020, chegando a mais de 33 mil unidades. O mercado de semirreboques acompanhou esse movimento e apresentou crescimento de 61,8% nas vendas, no mesmo comparativo, com 21.296 unidades emplacadas nos três primeiros meses do ano. “O impacto positivo da retomada econômica em diferentes geografias e o câmbio favorável para as exportações também contribuíram para o desempenho positivo no início do ano. Além disso, neste trimestre, já foi possível somar as receitas das novas empresas adquiridas recentemente como Nakata, Fundituba e CNCS”, salienta Paulo Prignolato, CFO das Empresas Randon.

A pressão nas cadeias de abastecimento de insumos e de matéria-prima, principalmente o aço, exigiu um esforço adicional para garantir a produção, atender a forte demanda de mercado e atenuar os efeitos da inflação nos custos. Desde o segundo semestre de 2020, as Empresas Randon vêm atuando de maneira intensa para garantir o fornecimento de suas matérias-primas, negociando com fornecedores e realizando compras de forma estratégica. “Vivemos hoje em um cenário extremamente desafiador em relação ao abastecimento de insumos e inflação de matéria-prima. Seguimos trabalhando para evitar problemas de escassez na produção da companhia, mas esse é um dos pontos de maior atenção para os próximos trimestres”, reforça Prignolato.