A pedido da Polícia Civil, a Justiça gaúcha determinou a prisão preventiva de dois homens apontados como autores do latrocínio que vitimou o empresário César Blazina, 58 anos, dentro de sua oficina mecânica no bairro Neópolis, em Gravataí (Região Metropolitana de Porto Alegre). O crime foi cometido na madrugada de 28 de agosto e um dos suspeitos já está preso desde o mês passado e o outro continua foragido.

De acordo com as investigações, a dupla invadiu a casa onde vivia e trabalhava a vítima, que foi rendida, torturada e teve roubados dois carros, televisores e um celular, além de a quantia proveniente da venda de um outro carro. O objetivo era obter dinheiro para comprar drogas.

Blazina foi encontrado morto cerca de 72 horas depois, em uma área de mata na Estrada dos Sarmentos, na localidade de Morro Agudo, no mesmo município. Devido ao fato de o corpo estar queimado e com marcas de ataques por animais, o IGP (Instituto-Geral de Perícias) precisou de um mês para confirmar a identidade.

Segundo a 1º (Delegacia de Polícia) de Gravataí, responsável pelo caso, o homem que já está preso tem 24 anos e, dias após o latrocínio, foi baleado por um grupo criminoso da região, em represália pelo fato de o crime ter causado a presença da Polícia na área, atrapalhando a atividade da quadrilha. Atendido em um hospital, ele recebeu voz-de-prisão antes de receber alta.

Santa Maria

Também nesta sexta-feira (9), a Polícia Civil prendeu preventivamente o suposto coautor de uma execução no bairro Nova Santa Marta, em Santa Maria (Região Central), na noite de 27 de setembro. Na ocasião, ele disparou vários tiros contra os moradores de uma casa, matando um homem de 20 anos e ferindo uma adolescente de 17 anos.

Os crimes teriam sido motivados por uma rixa com as vítimas. Outros dois homens envolvidos no incidente – um deles sem antecedentes criminais – já foram presos de forma preventiva, um dos quais assumiu participação no assassinato e na tentativa de homicídio.

(Marcello Campos)