“I lost my Choo”, gritou Carrie Bradshaw, personagem de Sarah Jessica Parker, enquanto corria para tentar pegar uma balsa em Staten Island para voltar a Nova York, em um dos episódios da série Sex and The City. A frase se tornou icônica, e marcou a relação de Carrie com os sapatos da marca Jimmy Choo. Aqui no Brasil, o shopping Cidade Jardim, um dos mais luxuosos da cidade de São Paulo, também já pode dizer que perdeu seu Choo. Mas o caso foi parar nos tribunais.

A JHSF, que é dona do Cidade Jardim, está processando a Newluxe, a empresa que é dona da loja Jimmy Choo no shopping, alegando que eles entregaram as chaves e foram embora sem pagar o que deviam, de acordo com processo ao qual o Radar Econômico obteve acesso. Nas contas da JHSF, a loja deixou de pagar cerca de R$ 145 mil a título de aluguel e outros R$ 440 mil de um dinheirinho dado a título de “allowance”, uma espécie de incentivo financeiro. O tal incentivo foi dado em 2018 numa renegociação do contrato de aluguel, para que a loja continuasse no shopping, até 2024. O dinheiro deveria ser usado para ações de marketing da loja. Com a pandemia, a loja fechou definitivamente em 31 de julho deste ano e o dono entregou as chaves. Só que, segundo a JHSF, sem pagar o aluguel e sem devolver o incentivo financeiro. Já contando juros, a JHSF pede que a Newluxe pague uns R$ 619 mil para quitar a dívida. A Newluxe ainda não se pronunciou no processo, que corre na Justiça de São Paulo.

Apesar da briga, o Cidade Jardim já encontrou um substituto à altura para a Jimmy Choo. O Radar Econômico apurou que vai entrar uma expansão da loja do estilista italiano René Caovilla no lugar.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade