A IGT, uma das maiores empresas no mundo de gestão de loterias, abandonou a concessão da Lotex, a loteria instantânea. Após a decisão do Supremo Tribunal Federal de permitir que estados possam criar suas próprias loterias, o grupo britânico entendeu que não valia mais a pena continuar no negócio como uma operadora da Caixa Econômica Federal. O foco agora do grupo é participar do desenvolvimento das loterias de governos regionais. Outro motivo, conforme fontes relataram ao Radar Econômico, é que a parceria com a Scientific Games (SGI), outra gigante do setor, não estava sendo bem sucedida. As duas, em comunicado, afirmaram também que a Caixa não estava permitindo a venda da Lotex em sua rede de lotéricas.

A concessão Lotex foi leiloada em 2019 e vencido pelo consórcio Estrela Instantânea, formado pela IGT e SGI. Elas foram as únicas a fazer uma proposta pela loteria instantânea do governo e ofereceram pagar cerca de 97 milhões de reais — o lance mínimo. Já era a terceira tentativa do BNDES de privatizar a loteria.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter