É a primeira vez que a Capital necessita de uma estrutura de campanha. Lotação nas UTIs chegou a 107% da capacidade nesta quinta (11). Ainda não há previsão para início da operação. Exército e prefeitura vistoriaram o local que vai receber a estrutura
Reprodução/Comando Militar do Sul
Pela primeira vez desde o início da pandemia, Porto Alegre terá um hospital de campanha para atender pacientes com Covid-19. A estrutura é do Exército Brasileiro, com 16 leitos enfermaria e quatro de UTI. A prefeitura disponibilizará mão de obra.
A estrutura será instalada junto à entrada do Hospital Restinga Extremo-Sul. Ainda não há data para início da operação.
Insumos do ‘kit intubação’ têm alta de até 467% e hospitais temem desabastecimento no RS
Justiça do RS nega pedido de transferência de paciente com Covid: ‘Não há vagas de UTIs, estamos diante do colapso’
A primeira parte dos equipamentos chega nesta quinta-feira (11), na Base Aérea de Canoas, em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), trazidos de Manaus. O restante chega na sexta-feira (12).
Hospital de campanha será instalado no pátio do Hospital da Restinga Extremo-Sul
Joel Vargas/PMPA
O hospital terá três barracas, montadas pelos militares do Comando Militar do Sul. Segundo o Exército, a instalação atende à solicitação do governo do estado, diante da escassez de leitos. Nesta quinta-feira (11), a Capital atingiu 107% da ocupação dos leitos de UTI.
“As Forças Armadas vem trabalhando num acompanhamento muito efetivo, quer seja na vacinação quer seja nesse instrumento importante que é o hospital de campanha, que vem agregar no momento mais difícil da pandemia”, declara o secretário de Saúde de Porto Alegre, Mauro Sparta.
A coronel Lucilene Vargas, comandante do Hospital de Campanha, explica que a estrutura permite que os leitos clínicos sejam transformados em UTIs.
“A característica do hospital de campanha é a rápida mobilidade. A área é perfeita, um terreno sólido, que tem proximidade do hospital”, observa.
Segundo ela, o Exército identificou a necessidade de trazer a estrutura para o RS diante do esgotamento de leitos. Um segundo hospital de campanha segue em Manaus.
“Lá deu uma arrefecida. A situação esteve bem crítica há semanas, não está ainda confortável mas aqui a gente tem verificado uma piora”, observa.
VÍDEOS: Tudo sobre RS
Initial plugin text