Estado completou 10 dias com mais pacientes do que vagas em leitos críticos. Número de pacientes em leitos de UTI cresceu bastante no estado
Reprodução/RBS TV
O Rio Grande do Sul atingiu, na tarde desta quinta-feira (11), a marca de 106% de ocupação dos leitos de UTI nos hospitais. Às 14h07, 3.284 pessoas estavam internadas em 3.086 vagas, conforme atualização da Secretaria Estadual da Saúde (SES). Este é o décimo dia seguido de lotação esgotada no sistema de saúde do estado.
Justiça do RS nega pedido de transferência: ‘Não há vagas de UTIs, estamos diante do colapso’
Nos leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), dedicados a pacientes com Covid-19 e outras enfermidades, há 2.171 internados em 2.214 vagas, o equivalente a 98% da lotação máxima. Já na rede privada, são 1.113 pessoas em 872 leitos, representando 128% da ocupação.
O número de pessoas acima da capacidade é possível, porque o plano de contingência adotado pelo estado permite o atendimento de pacientes críticos em outras áreas fora da terapia intensiva.
A SES monitora 299 hospitais em todo o estado. Até a divulgação do levantamento, 16 instituições não haviam informado os dados de ocupação ao sistema. O painel é atualizado de hora em hora.
Situação mais grave
Na atualização das 14h07, a região de Lajeado era a única que apresentava esgotamento em todos os indicadores controlados pelo governo: leitos de UTI em geral, leitos de UTI públicos, leitos de UTI privados, leitos clínicos e uso de respiradores (veja tabela abaixo).
A região compreende 19 hospitais que prestam atendimento no município e mais 36 cidades do Vale do Taquari.
Ocupação de leitos – Região Covid: Lajeado
Porto Alegre
Os hospitais de Porto Alegre aparecem com 108% de ocupação no painel da SES. O município tem 1.089 pacientes internados em 1.011 leitos críticos.
A situação é mais grave na rede privada, com 123% de lotação (495 pessoas em 404 vagas). Já no sistema público, são 98% (594 pessoas em 607 leitos).
Segundo o painel da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), 203 pessoas estavam na fila por uma vaga de UTI, às 14h30, sendo 187 com Covid-19 e 16 com outras doenças.
Canoas
O município de Canoas, na Região Metropolitana, contabilizava 144 pacientes em 145 vagas de UTI às 14h07 no painel da SES.
Entretanto, a prefeitura monitora os leitos exclusivos para pacientes com coronavírus. Segundo a administração local, são 125 pacientes graves internados em UTIs Covid, sendo sete deles em leitos extras, representando uma taxa de ocupação de 106%.
No início da noite desta quarta-feira (10), 50 pacientes aguardavam por leitos críticos na cidade. Outros 49 esperavam por leito de enfermaria, onde a taxa de ocupação é de 96%.
A fim de dar conta da demanda, a prefeitura ativou os planos de contingência das instituições, para possibilitar a ampliação de leitos e readequar espaços físicos com leitos extras.
Hospital Nossa Senhora das Graças, em Canoas
Reprodução/RBS TV
Outras regiões
A SES também divulga dados específicos de cada uma das 21 Regiões Covid do Rio Grande do Sul.
Além de Lajeado (141%), outras cinco regiões do estado estavam com esgotamento geral de leitos, quando faltam vagas no SUS e nos hospitais particulares: Ijuí (135%), Cachoeira do Sul (135%), Novo Hamburgo (116%), Caxias do Sul (114%) e Santa Rosa (100%).
Em quatro regiões, o esgotamento da rede privada elevava a lotação geral, mesmo com vagas abertas em hospitais públicos: Santa Cruz do Sul (128%), as regiões de Canoas (108%) e de Porto Alegre (107%), que compreendem 18 e seis municípios respectivamente, além de Passo Fundo (105%).
Na região de Palmeira das Missões (126%), era a rede pública que operava acima da capacidade, com sobra de leitos particulares.
Nas regiões de Uruguaiana (95%), Santo Ângelo (88%) e Pelotas (86%), só havia falta de leitos de UTI em hospitais privados. Nos entornos de Erechim (98%) e Cruz Alta (93%), a falta de vagas era registrada apenas em instituições públicas.
As regiões de Capão da Canoa (99%), Santa Maria (98%), Guaíba (98%) e Taquara (96%) estavam próximas do esgotamento, com poucas vagas restantes em leitos privados ou públicos.
A situação menos grave era vista, às 13h07, nos cinco hospitais da região de Bagé, com 62% de ocupação.
VÍDEOS: Tudo sobre o RS