Com o aumento de bandeiras vermelhas, subiu também o número de pedidos de reconsideração ao mapa preliminar nesta 28ª rodada do modelo de Distanciamento Controlado. Até as 6h da manhã do domingo (15), prazo limite para envio dos recursos, o governo do Estado recebeu 12 solicitações, todas partiram de regiões ou municípios classificados em bandeira vermelha.

É o maior número de recursos desde a 15ª rodada do Distanciamento Controlada, em 16 de agosto, quando foram 28 pedidos.

No mapa divulgado na sexta (13), 11 regiões do Rio Grande do Sul foram classificadas com risco epidemiológico alto: Porto Alegre, Guaíba, Canoas, Novo Hamburgo, Caxias do Sul, Capão da Canoa, Santo Ângelo, Cruz Alta, Ijuí, Santa Rosa e Passo Fundo. As outras 10 regiões foram consideradas com risco médio, e estão na bandeira laranja.

O Gabinete de Crise vai analisar os pedidos e divulgar o mapa definitivo nesta segunda-feira, por meio de notícia publicada no site do governo do Estado. A vigência das novas bandeiras se inicia à 0h de terça-feira (17) e segue até as 23h59 da segunda-feira seguinte (23).

Das 21 regiões Covid, apenas Uruguaiana, Bagé e Guaíba não aderiram ao sistema de cogestão do Distanciamento Controlado. As outras 18 já adotam protocolos alternativos às bandeiras definidas pelo governo.

Conforme a orientação do modelo, regiões em cogestão classificadas em bandeira vermelha podem adotar regras de bandeira laranja, e as classificadas em laranja podem adotar protocolos de bandeira amarela, basta que enviem protocolos próprios adaptados à Secretaria de Articulação e Apoio aos Municípios (Saam). A adoção de protocolos alternativos não altera as cores do mapa definitivo.

Região metropolitana

Das seis regiões que integram a macrorregião Metropolitana e onde se concentra a maior estrutura de atendimento, cinco áreas ingressam em bandeira vermelha n. Com 4.884 casos ativos nesta semana, Porto Alegre viu cair de 263 para 239 o número de leitos de UTI livre nesse período. A queda ocorre depois de o registro de pacientes Covid-19 em tratamento intensivo saltar de 242 para 276 de um monitoramento para o outro. Situação parecida foi registrada nos casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em UTI, que passou de 277 para 295.

Com dez leitos de UTI livres a menos do que na semana anterior (de 53 para 43), a região de Canoas registrou um salto de pacientes em tratamento intensivo tanto por Covid-19 (de 32 para 37) como por SRAG (de 47 para 62). Houve também a internação de 58 pessoas em leitos clínicos por conta do coronavírus na quinta-feira (12) – na semana anterior, eram 47 casos.

Igualmente impactada pela situação da macrorregião, Novo Hamburgo retornou à bandeira vermelha também por conta do aumento na ocupação de leitos de UTI por Covid-19 – de 28 para 36 pacientes nesta semana. Isso causou redução – de 18 para 12 – na oferta de leitos de UTI. Ao longo dos últimos sete dias, Novo Hamburgo somou 64 registros de hospitalizações confirmadas pela doença, 20 pacientes acima do acumulado da semana anterior.

Também com aumento acumulado em sete dias de registros de hospitalização – de 18 para 32 –, a região de Guaíba apresentou elevação de 13 para 17 pacientes Covid-19 em leitos de UTI, e de 21 para 23 pessoas por SRAG.