Em decisões, pareceres e manifestações que circulam no Judiciário, é comum encontrar citações e epígrafes que dão o tom, reforçam o tema que será abordado no documento ou mandam recados certeiros.

Na manifestação encaminhada pela Procuradoria-Geral da República no pedido feito pela defesa do senador Flávio Bolsonaro para suspender as provas produzidas nas investigações da “rachadinha”, a frase escolhida foi de Rui Barbosa — talvez o mais célebre entre os senadores brasileiros.

O documento, assinado pelo subprocurador Luís Roberto Oppermann Thomé, abre com as palavras ditas por Rui Barbosa em discurso feito em 1914: “A falta de justiça, srs. Senadores, é o grande mal da nossa terra, o mal dos males, a origem de todas as nossas infelicidades, a fonte de todo o nosso descrédito, é a miséria suprema desta pobre nação. De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”.

No parecer, o subprocurador da República foi contrário ao pedido da defesa de Flávio para anular os atos da investigação tomados pelo juiz Flávio Itabaiana — que deixou de conduzir o caso após a decisão do Tribunal de Justiça do Rio sobre o foro especial do filho do presidente. A defesa argumenta que as medidas foram “contaminadas” pois praticadas por um juiz incompetente.

Continua após a publicidade