O ativista e blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio, que já foi preso por ordem do STF e obrigado a usar tornozeleira eletrônica e manter distância da Corte, é alvo de mais um processo na Justiça. É chumbo grosso.

O general Sergio Etchegoyen, que já foi chefe do Estado-Maior do Exército e comandou o GSI no governo de Michel Temer, entrou com uma ação na qual pede 100.000 reais por danos morais causados causados por Eustáquio.

O blogueiro alinhado com o Planalto publicou em fevereiro uma grave acusação contra o general: o acusou de produzir dossiês contra o presidente Bolsonaro e vazar informações sigilosas.

O título da sua publicação: “O beijo do diabo: Joice Hasselmann e o esquema de espionagem contra Bolsonaro comandado pelo FSB”.

A empresa FSB, também autora da ação, é uma das maiores na área de comunicação e assessoria de imprensa. Eustáquio acusou um conluio entre a empresa e o general para conseguir informações de jornalistas ligados a FSB e que trabalham no governo.

Continua após a publicidade

Etchegoyen integra o Conselho de Administração da FSB. A “notícia” do blogueiro foi publicada no site “Agora Paraná”, que também aparece como réu na ação, além de outras duas pessoas.

Na ação, os autores acusam o amigo do presidente de produzir notícia de “caráter mentiroso, torpe e difamante” e com a “clara intenção de desabonar a honra e a imagem dos autores (general e FSB) e de minar sua credibilidade”.

 

 

 

Continua após a publicidade