Evento ecumênico no viaduto da Paróquia São Jorge registrou uma semana do crime. Manifestação em frente à unidade do Carrefour onde o cidadão negro foi assassinado pediu fim ao racismo. Grupo Carrefour informou que dará auxílio emergencial à família e deve finalizar contratação de novos seguranças até a próxima sexta (4). Protesto contra o racismo reuniu manifestantes em frente ao Carrefour, em Porto Alegre
Jonas Campos/RBS TV
Dois eventos marcaram, nesta sexta-feira (27), uma semana desde a morte de João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos: um ato ecumênico na Paróquia São Jorge e uma manifestação em frente ao supermercado Carrefour Passo D’Areia onde o cidadão negro foi morto após ser espancado por dois seguranças brancos no dia 19.
Segurança preso diz que não houve discussão antes das agressões
‘Trabalhamos com três hipóteses em que pode configurar o preconceito racial’, diz delegado
‘A autorização prévia ao extermínio e à extrema violência está construída na sociedade’, avalia professora
Em frente ao Carrefour em que aconteceu o crime, um grupo de manifestantes levou lenços brancos e cartazes e camisetas com inscrições antirracistas. Por volta das 18h, eles se alinharam e cerraram o punho, gesto em alusão à luta conta o preconceito racial.
Homenagem a João Beto ocorreu embaixo de viaduto no bairro Partenon, em Porto Alegre
Jefferson Ageitos/RBS TV
Já a celebração religiosa, no bairro Partenon, reuniu pessoas que quiseram prestar homenagem a João Beto. Depois, eles foram para baixo do viaduto, na Avenida Bento Gonçalves, onde faixas pediam justiça pelo crime.
Mesmo com máscaras, os participantes desconsideraram o distanciamento social e se abraçaram em um círculo. Mais tarde, por volta das 19h30, saíram em passeata rumo à unidade do Carrefour do Partenon.
Manifestantes acendem velas em memória a João Alberto, em Porto Alegre, nesta sexta (27).
Jefferson Ageitos/RBS TV
Ajuda à família e revisão na segurança
O Carrefour informou, nesta sexta, que irá prestar auxílio à família de duas formas: uma ajuda emergencial, “como uma forma de garantir amparo neste momento”, e uma assistente social para dar apoio psicológico à viúva, Milena Borges, à filha mais velha, Thaís, e à ex-mulher com a qual teve três filhos. (Leia mais abaixo a nota na íntegra)
“O Carrefour sabe que nada trará a vida do senhor João Alberto de volta, mas espera poder ajudar a família neste momento de dor irreparável. E continua avançando para implementar as medidas que ajudarão a contribuir para o combate à discriminação racial no Brasil”, afirmou, por nota, a rede de supermercados.
A empresa também trabalha com a contratação de novos seguranças para a unidade do Passo D’Areia, o que deve ser finalizado até a próxima sexta-feira (27).
Nota do Carrefour
O Carrefour informa que segue em contato com a família do senhor João Alberto Silveira Freitas, vítima no dia 19 de novembro no supermercado de Passos D’Areia, bairro de Porto Alegre. Desde o primeiro momento, a empresa entrou em contato com o senhor João Batista, pai de João Alberto, para oferecer apoio à família neste momento de dor irreparável. Em 21 de novembro, o CEO do Grupo Carrefour Brasil, Noël Prioux, ligou diretamente para o senhor João Batista para reforçar que a empresa não mediria esforços na ajuda à família. Na quarta-feira, dia 25, o Carrefour conversou com a esposa do senhor João Alberto, senhora Milena Borges, que direcionou o contato para o seu advogado.
Enquanto as tratativas com os advogados da família seguem avançando, o Carrefour oferecerá dois apoios imediatos para avaliação da família:
1 – Uma ajuda emergencial à família do senhor João Alberto como uma forma de garantir amparo neste momento.
2 – Uma assistente social para dar apoio psicológico à viúva – senhora Milena Borges -, à filha mais velha – Thaís – e à ex-mulher do senhor João Alberto, com a qual teve três filhos.
Outro ponto importante é que, como ponto inicial da transformação radical de seu modelo de segurança, a empresa está em processo de contratação de pessoas para internalizar a segurança da loja Passos D’Areia em até uma semana, na próxima sexta-feira, 4 de dezembro. As outras duas unidades da rede na cidade de Porto Alegre já estão sendo preparadas para que também recebam este processo.
O Carrefour entende que somente ouvindo e aprendendo com as pessoas e organizações comprometidas com o combate ao racismo pode efetivamente contribuir para a mudança do racismo estrutural na sociedade. Por isso, foi criado o Comitê Externo de Livre Expressão sobre a Diversidade e Inclusão. Em breve, será aberto um canal para, via Comitê, ampliar ações e o diálogo com outras organizações no país, que irão contribuir para que o ocorrido em Porto Alegre não mais aconteça.
O Carrefour sabe que nada trará a vida do senhor João Alberto de volta, mas espera poder ajudar a família neste momento de dor irreparável. E continua avançando para implementar as medidas que ajudarão a contribuir para o combate à discriminação racial no Brasil.
Veja vídeos sobre o caso
Initial plugin text