Pedidos de reconsideração de Caxias do Sul, Guaíba, Passo Fundo e Porto Alegre foram aceitos

Com essa definição, 25,8% da população gaúcha se encontra em locais classificados como de risco epidemiológico alto, como Capão da Canoa

O mapa definitivo da 28ª rodada do Distanciamento Controlado terá, a partir desta terça-feira (17), sete regiões em bandeira vermelha (risco epidemiológico alto). Isso porque o Gabinete de Crise deferiu, nesta segunda-feira (16), quatro pedidos de reconsideração enviados por municípios e associações regionais. Assim, o Rio Grande do Sul fica com sete regiões em bandeira vermelha e 14 em bandeira laranja (risco epidemiológico médio). As bandeiras da 28ª semana são válidas até as 23h59 de segunda-feira (23).

Os pedidos de reconsideração das regiões Covid de Porto Alegre, Passo Fundo, Guaíba e Caxias do Sul foram aceitos pelo Gabinete de Crise. Na análise, a equipe técnica rejeitou os pedidos das regiões de Novo Hamburgo, Santo Ângelo e Santa Rosa, que permanecem na bandeira vermelha, ao lado de Capão da Canoa, Canoas, Cruz Alta e Ijuí, que não entraram com recursos. Com essa definição, 25,8% da população gaúcha (2.928.206 pessoas) se encontra em regiões classificadas como de risco epidemiológico alto. No mapa preliminar, era 66,5% – 7.528.700 habitantes do Rio Grande do Sul.

Em Porto Alegre, os indicadores apontam para uma estabilidade na propagação da Covid-19 e na capacidade de atendimento. A taxa de ocupação de UTIs se encontra na faixa de 76%, com pressão maior sobre leitos de UTI da rede privada. O que mais pesou na média final foi a situação macrorregional (Novo Hamburgo, em especial) e estadual como um todo e por isso a equipe técnica entende como cabível deferir o pedido para que a região se mantenha na laranja.

Em Passo Fundo, o recurso foi aceito porque a região tem taxa de ocupação de leitos de UTI abaixo de 80% (79,4%) e, de leitos SUS, abaixo de 66,9%. O recurso da região de Caxias do Sul foi aceito porque, apesar do aumento significativo desta semana, os indicadores são similares aos de outras semanas. A elevação foi mais forte nesta semana, porém ainda bastante abaixo de níveis históricos dos momentos em que a região esteve em bandeira vermelha por longo período, com posterior controle e retomada por maior período em bandeiras de menor risco. Hoje, a ocupação de leitos de UTI está em 66,8%.

Por fim, em Guaíba, apesar da piora importante nos indicadores, a capacidade de leitos do local ainda é confortável. O aumento de casos não foi suficiente para pressionar o sistema, então com 58,7% de taxa de ocupação em UTI e 24,2% de leitos clínicos.