Segundo a companhia, isso sempre ocorre nos anos posteriores à eleição de um candidato democrata

A companhia alcançou receita líquida consolidada de R$ 490,8 milhões no terceiro trimestre

Em meio a muitos números positivos (veja os principais indicadores no final desta reportagem), um detalhe chamou a atenção no relatório trimestral da fabricante de armas Taurus que, no Sul, tem unidade em São Leopoldo (RS). A mensagem da administração, assinada pelo CEO Salesio Nuhs, comenta o resultado da eleição nos Estados Unidos, onde Joe Biden derrotou Donald Trump. Entre as previsões do executivo está o aumento de venda de armas nos Estados Unidos no próximo ano.

“Como todos sabem, o maior mercado para nossas armas está nos EUA e fatores políticos podem influenciara reação das pessoas, com consequências no mercado consumidor, incluindo questões legislativas. Considero importante destacar que a administração da Taurus está bastante atenta aos movimentos decorrentes das eleições, e acreditamos que, a exemplo do que ocorreu na eleição do então candidato Barack Obama à Casa Branca em 2008 e 2012, quando houve aumento considerável na procura por armas de fogo quando comparados aos anos anteriores à eleição, esse efeito deverá acontecer também agora em 2021. Historicamente, nos anos posteriores à eleição de um candidato democrata para a presidência dos EUA, há aumento na procura por armas”, descreve Nuhs.

A companhia alcançou no terceiro trimestre receita líquida consolidada de R$ 490,8 milhões, considerando vendas de armas e de peças de metal injetado. “Por mais uma vez consecutiva, o desempenho da receita supera o recorde registrado no trimestre anterior. Em relação ao segundo trimestre, a alta foi de 15,8% e, comparado ao mesmo período de 2019, a receita líquida mais do que dobrou, com aumento de 102,6%”, relata a Taurus em seu comunicado.

A Taurus registrou lucro líquido de R$ 102,2 milhões entre julho e setembro, incluindo o resultado positivo de R$ 2,9 milhões apurado na operação de capacetes. O desempenho reverte o resultado líquido negativo em R$ 26,4 milhões do terceiro trimestre do ano passado e supera em R$ 63,2 milhões (ou 162,1%) o lucro do trimestre imediatamente anterior. O valor também permitiu compensar quase a totalidade do desempenho líquido negativo acumulado nos meses anteriores, relacionado ao prejuízo de R$ 157,1 milhões do primeiro trimestre, quando o resultado foi pressionado pelas despesas financeiras.

Seu navegador não oferece suporte ao visualizador de PDF
Baixe o arquivo PDF aqui